Exercício físico, exercício à memória!

Exercício físico, exercício à memória!

Um estudo conduzido pelo Instituto de Tecnologia de Georgia (Atlanta, EUA) comprovou que a memória de longo prazo pode ser melhorada com uma simples de sessão de 20 minutos de treino! Foram 46 os participantes (29 mulheres e 17 homens) que foram convidados a observar uma série de 90 fotografias que poderiam ser consideradas “positivas”, “negativas” ou “neutras” (exemplo: imagens de crianças a brincar, de relógios e de corpos mutilados). Os voluntários foram divididos em dois grupos: um grupo fez exercícios de resistência de pernas numa máquina (grupo activo), tendo-lhes sido pedido que fletissem as pernas na máquina 50 vezes com o máximo de força individual possível; o outro grupo utilizou uma máquina que movia as pernas dos voluntários (grupo passivo). Os investigadores retiraram amostras de saliva, monitorizaram os batimentos cardíacos e a pressão arterial de cada participante.Após 48 horas foram mostradas aos participantes as 90 imagens previamente visualizadas e mais 90 outras, nunca antes mostradas. O grupo passivo identificou cerca de 50% das fotos previamente visualizadas. O grupo activo conseguiu uma percentagem de identificação de imagens de 60%. Todos os participantes se lembraram melhor das imagens positivas e negativas do que das neutras. Tal facto é explicado porque as pessoas se lembram com mais facilidade de experiências do foro emocional após terem passado por um estado de stress de curta duração.

Estudos anteriores já tinham demonstrado que as respostas ao stress resultam na libertação de norepinefrina, uma hormona que pode contribuir para o melhor funcionamento da memória, e, neste estudo, a saliva dos participantes do grupo activo demonstrava níveis de alfa amílase, um marcador da norepinefrina.
“Esta descoberta é encorajadora já que é consistente com o estudo sobre os roedores que evidencia exatamente as partes do cérebro que desempenham um papel nos benefícios na memória induzidos pelo stress causado pelo exercício físico”, explica Audrey Duarte, professora assistente na Escola de Psicologia na Georgia Tech.

Porque não aliar a melhoria da memória à melhoria do físico?

Venha treinar connosco e evolua!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *