Como fazer a tradicional ceia de Natal sem cair em tentação? in Público Life&Style

Como fazer a tradicional ceia de Natal sem cair em tentação? in Público Life&Style

in Público, 02.12.2014

O Público Life&Style falou com a nutricionista Lillian Barros para descobrir truques e dicas para entrar no ano novo sem uns quilinhos a mais.

Sonhos, filhós, rabanadas, bolo-rei, chocolates. Dezembro é altura de pecados alimentares. Começa com os jantares de Natal com amigos e colegas de trabalho para culminar com a consoada e a passagem de ano e um denominador comum: a mesa sempre cheia de iguarias pouco saudáveis. Mas os excessos de doces, fritos e gorduras da época festiva podem ser evitados.

“Não é preciso desvirtuar a ceia de Natal tradicional para ser saudável. É possível fazer as mesmas receitas mas com ingredientes diferentes”, explica Lillian Barros, a nutricionista por detrás do livro Sumos e Águas Detox (editado pela Esfera dos Livros). O maior truque é reduzir ou substituir alguns ingredientes e adaptar o método culinário para melhorar a composição nutricional da receita. Mas tudo começa no supermercado. Na lista devem estar “farinhas integrais, açúcar mascavado ou açúcar de côco” e “tudo o que seja lácteo deve passar para magro assim como todas as gorduras devem ser substituídas por azeite”.

Na ementa, ao contrário do que se poderia esperar, não há grandes alterações. Há, sim, acrescentos, principalmente de vegetais. “Deve iniciar-se a refeição com uma entrada pouco calórica, como uma sopa de legumes. Por exemplo, uma sopa de beterraba. É vermelha, natalícia e uma boa base para a refeição que se segue”, diz Lillian Barros.

Salientando o carinho extra com que são preparados os pratos na quadra natalícia, a nutricionista sugere não prescindir das saladas, acrescentar fruta e dar-lhes alguma cor. “Podem introduzir-se alimentos saudáveis com as cores do Natal. Numa salada com rúcula pode pôr-se romã e frutos vermelhos, por exemplo”, aludindo ao verde e vermelho característico da época.

Já o prato-rei da consoada, o bacalhau cozido, é o recomendado. O “problema”, diz-nos a nutricionista, são as suas variações. Caso do bacalhau espiritual ou bacalhau com natas. “As natas são sempre muito gordas, devem ser substituídas por natas light ou natas de soja”, aconselha.

Doces e bebidas

Outra sugestão para os bolos é alterar a farinha e usar frutas. “Pode utilizar a receita original, mas substituir metade da quantidade de farinha normal por integral. Ganha características nutricionais mais simpáticas e ao mesmo tempo o sabor não é alterado. Já a fruta adoça naturalmente o bolo”.

Atenção também às bebidas e outros digestivos. Idealmente a refeição deve ser iniciada com um chá “de canela ou gengibre, por exemplo. Funciona como entrada não calórica e engana o estômago” e acompanhada por água “normal, aromatizada ou tisanas frias ou quentes”.

Mas pode haver excepções. “O vinho tinto, se não for em excesso, pode acompanhar a refeição porque é rico em antioxidantes e tem benefícios cardiovasculares”. Na lista dos proibidos ficam os aperitivos, os whiskeys, as bebidas brancas e champanhe “só mesmo para brindar”.

Noite dentro, Lillian Barros alerta para os snacks. Frutos secos, apesar de saudáveis, são “altamente calóricos” quando comidos em grandes quantidades. Em vez disso, seja para sobremesa fora de horas ou para a ceia, a nutricionista sugere um pudim de chia (uma vez que a semente de chia tem a capacidade de aumentar de volume entre oito a 12 vezes e é saciante).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *